Mahou Tias #009 – Estática

Mahou Tias Logo

Stefani estava tendo dificuldades para se enxugar, pois conforme ela passava a toalha pelo corpo, ia criando muita eletricidade estática, o que fazia a toalha grudar na pele.

A situação era pior nos cabelos, a toalha e os fios estavam tão grudados pela estática, que cada puxão fazia um estalo que causava dor, e ela esfregava a toalha para tentar ameniza-la, se esquecendo que isso geraria mais estática.

Por causa da demora da filha, Estela entrou no banheiro para ver o que acontecia, e achou que a garota estava passando mal. Stefani se contorcia tentando afastar a toalha, ouvia-se estalos, a garota voltava a se contorcer, ouvia-se mais estalos, em um circulo vicioso que não tinha fim.

A mulher agarrou a toalha e sentiu um choque, mas o instinto materno foi mais forte, não deixando que ela largasse a toalha, e a puxou com força. Parecia que centenas de mosquitos tivessem sido mortos com aquelas raquetes elétricas, tamanha a quantidade de estalos que se ouviu. Stefani gritou e caiu no chão tremendo.

Estela ficou branca, ela não tinha entendido o que havia acontecido, mas sabia que a filha estava sofrendo. Ela respirou e perguntou:

– Filha, o que foi isso?

– Acho que aquela fruta me deu poderes elétricos! A toalha não queria desgrudar de mim! – Falou a garota suspirando profundamente.

Depois que conseguiu se levantar, a garota foi para o quarto, seguida pela mãe, que a examinava de cima a baixo, mas não falava nada.

A garota ficou sentada na cama pensando. Ela olhava para o guarda-roupas e tinha medo de vestir qualquer coisa enquanto não estivesse bem seca e sem estática pelo corpo.

Ela encarou o abajur, desrosqueou a lâmpada, e quando colocou o dedo no conector de energia, a lâmpada começou a emitir uma luz bem fraca. Estela que estava calada, apenas olhando, arregalou os olhos de medo. Stefani achando grassa da quilo, falou:

– Será que eu consigo recarregar meu celular?

– Não faz piada com isso! Vão querer te dissecar viva! – Falou Estela começando a chorar.

– Mãe. Aqui é o Brasil! É mais fácil que queiram me colocar em um time de futebol, que eu me candidate a vereadora, ou entre para o crime organizado. – Falou a garota deixando a mãe perdida, sem saber se ria ou tinha medo.

Quando o pai de Stefani voltou para casa com os remédios da filha, Estela o agarrou pelos ombros e falou:

– Otavio! Nossa filha virou um Pikachu.

O homem não entendeu nada, e a esposa começou a explicar. Quando ela terminou o marido subiu as escadas até o quarto de Stefani, e entrou sem bater, e sem reparar que a filha ainda estava nua, e pediu que ela mostrasse o truque da lâmpada.

Stefani pegou a lâmpada e a fez acender mais forte que da ultima vez. O homem se ajoelhou, colocou as mãos sobre as pernas da garota, pegou as mãos dela, e quando foi levantando a cabeça para olhar o rosto da filha, viu os mamilos dela e se jogou para traz gritando:

– Porque você ainda tá pelada! Não faz isso com seu pai!

– Você não percebeu, como? – Falou a garota cobrindo os seios com as mãos.

Augusto e Pamela chegaram desesperados para ver se a garota estava bem.
Eles estavam afobados demais, pois os jornais não paravam de mostrar um helicóptero que havia sido derrubado pela mulher amarela.

Nenhum dos três tinha pensado em ligar a TV. E quando ligaram, viram as filmagens do entorno do hospital, e as coisas pareciam muito mais chocantes agora.

Na parte oposta a saída do estacionamento, havia um pequeno helicóptero despedaçado no chão. O ancora do jornal dizia que a aeronave, pertencia a um grupo de traficantes, que tinham executado um outro, rival, que estava internado ali, e que a mulher que vestia amarelo não tinha deixado a nave fugir a derrubando, fazendo os três tripulantes irem para a UTI em estado grave.

Todos estavam assustados, e Augusto e Pamela, não pareciam ter reparado em Stefani.

Então a campainha tocou e Pamela foi ver quem era, quando voltou estava junto de uma mulher com seus trinta anos, com cabelos castanhos cacheados até os ombro, e sem mais grandes destaques.

Pamela a apresentou, dizendo que aquela era Jessica, a ginecologista dela.

Estela pediu desculpas por não ter desmarcado a consulta, mas a mulher a interrompeu:

– Calma! A Pamela me contou que quebram a cara da sua filha. Na minha época as garotas brigavam puxando cabelos, hoje elas quebram narizes. Isso é igualdade de gêneros!

Todos riram e Jessica se aproximou de Stefani, que agora já estava vestindo um vestido verde, e perguntou:

– Fogo e água me disseram que você comeu uma das frutas. Qual é o poder que você recebeu?

Todos ficaram calados e assustados, e Pamela perguntou:

– Como assim Jéssica? Que fruta? Você está falando das Super Mulheres?

Pamela e Augusto olharam para Stefani e notaram a mudança nos cabelos, nos olhos, na pele e no corpo, soltaram um “Como assim?” em uníssono, mas a resposta veio rápida.

Ainda virada para Stefani Jéssica suspirou e suas roupas sumiram, dando lugar a outras, os cabelos mudaram de cor, e ela se revelou a mulher amarela.

Continua…

Commentários do Facebook

Comentários