Mahou Tias #015 – Primeiro Beijo

Mahou Tias (Logo Novo)

Leidiane, deu a Stefani, um maiô, para dar mais liberdade nos movimentos e prevenir constrangimentos desnecessários.

A garota passou o resto do dia treinando, das maneiras mais absurdas.

Primeiro, Laura, fez cocegas nos pês de Stefani. Segundo a treinadora, isso era para evitar disparos acidentais, causados por espasmos musculares.

Ainda, segundo Laura, o ideal seria ela cheirar pimenta, mas com as narinas tapadas, era algo impossível.

Stefani, parecia estar controlando muito bem, era muito difícil, perceber as faíscas ou outras reações magnéticas que ela causava.

Depois Laura obrigou Stefani a beber dois litros de água, mas não contou o motivo.

Logo após, a treinadora, fez Stefani manter um ventilador ligado. Em seguida, absorver a carga de uma pilha e uma bateria de selular.

Stefani começou a sentir vontade de urinar, mas Laura não permitiu que ela fosso ao banheiro, e seguiu dando tarefas leves, já que Jessica parecia uma coruja observando.

Quando Laura percebeu que Stefani não podia mais segurar, chamou a garota para traz de uma cerca, e pediu para Stefani urinar ali.

A garota ficou constrangida, mas Laura exigiu que ela fizesse na frente dela.

Com alguma dificuldade para se soltar, Stefani conseguiu se aliviar, e Laura falou:

– Achei que segurar a urina, podia causar problemas… Mas me enganei.

– Claro que se enganou! Desde que eu comi aquela merda eu to indo no banheiro se problemas! – Respondeu Stefani irritada.

Laura reuniu todos e explicou que sem poder forçar um pouco mais a Stefani, não podia fazer mais nada.

Jessica que ficou observando tudo de longe, achou que era o suficiente, mas sugeriu que Stefani ficasse ali durante a semana, afinal, ela estava de licença por causa do nariz.

Otavio, disse que era melhor ela ir para casa, pois só na vida real, saberiam dos problemas que poderiam ter.

Laura, ficou apreensiva, mas não teve como fazer muita coisa, quando Jessica e Leidiane convenceram Tatiane que era a melhor escolha.

Vagner, Tiago e Mario, se prontificaram a ficar de olho e tantar abafar qualquer problema, afinal, trabalhando na polícia era mais fácil saber dos problemas que poderiam ser complicações.

Jessica também iria ficar de olho, afinal, ela morava bem próximo de Stefani.

Tatiane, iria ajudar Leidiane na organização de uma nova loja, e não poderia estar tão presente.

Stefani pode aproveitar a chácara, logo após terem almoçado. Mas o máximo que ela fez foi tomar um polco de sol do pescoço para baixo, já que Jessica tinha medo de deixar a garota parada virada para o sol.

No fim da tarde, todos, exceto Laura e o pai, saíram da chácara e voltaram para a cidade onde moravam.

Com toda a confusão, Stefani havia esquecido do celular, que estava totalmente descarregado.

Enquanto ela tomava um banho, deixou o aparelho carregando no quarto.

Enquanto se enxugava, reparou que estava conseguindo evitar a estática, o que deixou a garota contente, não era muito, mas não ficar enrolada em panos, já era o suficiente.

Quando ela chegou no quarto, viu o celular acesso, chamando. Na tela, aparecia a foto e o nome de Ricardo:

– Oi Ricardo! Tudo bem? – Falou a garota após atender a chamada.

– Caramba Stefani! Você sumiu! Ta tudo bem? – Falou o rapaz aliviado.

– Eu estava me escondendo, foi recomendação. – Explicou a garota mentindo.

Tiago, havia explicado, que as câmeras do hospital registraram o momento em que Leidiane e Tatiane saíram do quarto onde Stefani estava. E essa devia ser a desculpa que ela devia usar:

– Nossa, que bom que vocês conheciam a esposa de um policial. O cara foi esperto. – Falou o rapaz.

– Quanto tempo de suspenção a Viviane pegou? – Perguntou Stefani, desconversando.

– Uma semana… A diretora não ta nada feliz. Quase que ela foi expulsa. – Explicou o rapaz bravo.

– Escuta, eu perdi matéria na sexta? – Questionou a garota.

– Não teve aula. Todo mundo ficou com medo de ir para a escola. – Contou o rapaz.

– Ah tá. Melhor assim. Você tira umas fotos do seu caderno pra mim, essa semana? – Pediu a garota alegremente.

– Não. Prefiro te levar pessoalmente ai para você. Eu quero te ver. – Falou Ricardo com a respiração ofegante.

Stefani, gaguejou bastante, mas disse que tudo bem, e que ficaria esperando.

Stefani contou para a mãe, que riu, e pediu para ela deixar a porta do quarto aberta, quando o Ricardo chegasse.

A garota demorou para dormir, pensando se realmente era isso, o rapaz, viria, e poderia até se declarar, e ai, o que ela faria.

A manha da segunda, passou arrastada e demoradamente. A garota aproveitou para colocar os deveres que já tinha em ordem.

Por volta das 14 horas, Stefani ouviu a campainha, ouviu a voz de Ricardo, ouviu a mãe dizer algo para o rapaz, e depois gritar para Stefani que ele estava subindo.

A garota, estava suando, e com o coração acelerado. Quando Ricardo entrou, isso só piorou, o rapaz trazia um buque de rosas vermelhas e uma caixa de bombons.

Ricardo, viu a cara de Stefani, e falou:

– Você sabe que eu so tímido. Eu podia não ter tido a chance. Você podia ter morrido, e ai? Você até pode não sentir o mesmo, mas eu vou falar. Quero ser mais que seu amigo!

A ultima frase atingiu Stefani como um tiro. Ela ficou vermelha e abriu um largo sorriso. Ela se aproximou do rapaz, pegou os presentes e agradeceu, totalmente sem jeito.

Ricardo falou que ela não precisava responder naquele momento, que eles podiam ir para os deveres, e falar disso quando ela quisesse, pois a parte dele ele já tinha feito.

Stefani colocou os presentes na escrivaninha, e falou:

– Não dá pra deixar pra depois. É impossível! Vamos resolver agora!

Ela pulou de encontro a Ricardo, que a abraçou, e os dois se beijaram, profunda, mas não longamente, pois os tampões no nariz impediam que ela respirasse por eles.

Continua…

Commentários do Facebook

Comentários