Mahou Tias #028 – Fake

Mahou Tias (Logo Novo)

Stefani acordou, no dia seguinte, ponderando melhor sobre o tal cachorro falante. Vindo de Viviane, bem que poderia ser uma brincadeira.

Por outro lado, mulheres capazes de controlar a água, o ar, o fogo e a eletricidade, também soariam estranhas a duas semanas, e ela era uma dessas mulheres.

Ela mandou uma mensagem de texto para a amiga perguntando a que horas ela iria chegar. Viviane só respondeu por volta das dez horas, que chegaria em uma hora.

Stefani avisou Laura, que chegou na casa da garota em menos de trinta minutos.

Stefani se assustou com a pressa da amiga, que respondeu que os animais da região realmente falavam de um cachorro que tinha adquirido a fala humana.

Stefani não conseguiu deixar de imaginar os pombos do bairro trocando fofocas sobre outros animais que tinham comportamentos estranhos.

Laura percebeu a expressão estranha de Stefani e a questionou a respeito. Ao ouvir a explicação da garota, Laura falou:

– Acredite, isso não é estranho. Pombos são os melhores informantes de uma cidade grande. Os cães são os segundos. Mas se os insetos não morressem tão rápido e fácil, eles seriam os melhores.

Stefani não conseguiu conter o riso. A cada dia Laura parecia mais incrível, ela tinha acesso a um mundo totalmente a parte do que as pessoas conheciam.

Viviane chegou no portão da casa de Stefani, acompanhada de um belo vira-latas de pelugem negra, que parecia bastante animado. Stefani imaginou o porquê de tanta animação, mas guardou para si.

Laura sugeriu que elas fossem para o quintal dos fundos, de onde não poderiam ser vistas e ouvidas da rua.

Quando chegaram perto da árvore que ficava na frente da janela do quarto de Stefani, Viviane apontou para Laura e perguntou quem era. Stefani a apresentou e disse que era uma amiga que tinha conhecimentos sobre espíritos e afins.

A garota loira ficou apreensiva, mas viu a forma curiosa como Laura encarava o cachorro, e como ele parecia estar vidrado nela, e acabou confiando na mulher.

Laura e o cachorro ficaram se encarando por cerca de um minuto. Em seguida Laura falou:

– Viviane, ele te disse que um dia passou mal, vomitou bastante, desmaiou, e quando acordou, já podia entender e falar português. Correto?

Viviane ficou pálida, e não conseguiu formar uma frase coerente, ela ficou apenas gaguejando e soltou a corrente da coleira.

O animal começou a caminhar na direção de Laura, e quando chegou perto cheirou a virilha dela. Stefani deu um grito que chamou a atenção do cachorro, que agora passou a caminhar na direção dela.

Stefani encarou o animal brava, mas ele não se importou e quando chegou perto dela, também começou a cheirar sua virilha.

Stefani pulou para traz gritando para Viviane:

– O que você tava fazendo com esse animal quando me mandou aquela mensagem?!

– Eu tava brincando com ele… – Respondeu Viviane corando levemente.

Stefani ia se afastando do cachorro, que a ia seguindo. Viviane prevendo problemas chamou o animal:

– Fake, quieto! Deixa ela em paz!

– Mas eu gosto do cheiro dela… – Respondeu o animal triste.

Laura sorriu e Stefani ficou impressionada, Viviane não estava mentindo afinal.

Viviane contou que encontrou o cachorro depois que saiu da casa de Stefani na semana anterior, mas que ele não tinha falado até o dia anterior.

Laura quis saber que tipo de coisas o animal havia contado. Viviane respondeu que nada de estranho além de ele falar.

Laura se ajoelhou na frente do animal e lhe estendeu a mão, mas ele recuou. Viviane falou que ela tinha tido muito trabalho para faze-lo confiar nela.

Stefani imaginou que tipo de métodos a amiga poderia ter usado para conseguir tal confiança, mas outra vez ela não falou nada.

Ela resolveu questionar o porque do nome Fake. A loira respondeu que geralmente pessoas que fingiam ser quem não eram, na internet, ou que eram falsas, eram chamadas de fake, e isso se encaixaria bem com um cachorro que não era um humano, mas falava como um.

Laura insistiu sobre coisas que o cachorro poderia ter falado, mas Viviane dizia que nada de estranho, além do animal estar falando.

Otavio saiu de dentro da casa e falou que Leidiane tinha acabado de ligar, e queria todos na chácara para um churrasco.

Viviane ficou chocada, perguntando se eles não tinham coração, mais de mil mortes e eles estavam pensando em ir em um churrasco.

Laura explicou que Viviane também deveria ir, afinal não seria uma festa, era mais para um almoço.

Quando escutou a palavra “almoço” Fake ficou maluco e começou a repetir a palavra, como se estivesse latindo.

Viviane achou a ideia estranha, mas pediu autorização para os pais, que confiavam na família de Stefani, e acabaram deixando.

Leidiane passou na casa de Stefani para pegar Laura. No carro de Otavio, estavam ele a esposa, a filha e Viviane com o cachorro.

Já na estrada, Vagner e Tatiane se juntaram ao comboio, só que eles estavam dirigindo uma pick-up simples com uma lixeira na caçamba.

Uma hora depois Jessica chegou com o marido enquanto os outros estavam abrindo a chácara.

Viviane viu a médica ali, e Stefani explicou que Jessica também era a médica da namorada do avô, e que agora era a dela também.

Augusto, Pamela e o pai não foram até a chácara, pois queriam ficar de prontidão no hospital caso a mãe de Pamela precisasse.

Leidiane chamou todos para o ateliê que ficava depois da cozinha. Foi ai que Viviane percebeu quem era aquela Leidiane, e disse que ela deveria começar a pensar nas adolescentes como publico.

A mulher respondeu que isso já estava em andamento, enquanto Vagner, Tiago e Mario traziam a lixeira que estava na pick-up para dentro do ateliê.

Vagner que era bem mais alto que todos ali, abriu a lixeira e puxou o comandante Vitório para fora.

Stefane e os pais não esperavam por aquilo, mas não se chocaram tanto. Já Viviane, que não sabia de nada sobre os acontecimentos no presídio, e nem sobre quem eram as Supermulheres, começou a gritar desesperada.

O comandante Marcos pediu um jarro de água, e depois de beber tudo, olhou calmamente para Viviane e falou:

– Por favor, se acalme… Isso não é um sequestro, isso foi ideia minha em primeiro lugar… Ainda mais levando em conta que temos um animal, que pode falar demais, e causar problemas.

Viviane olhou para Stefani, se sentindo traída. Mas Stefani, entendendo o que se passava ali, se transformou.

Viviane ficou pálida, e procurou um lugar para se sentar, enquanto Fake falava como se latisse:

– Esse é o cheiro bom, esse é o cheiro bom! É esse, é esse!

Continua…


contato@tresquartoscego.com

https://twitter.com/danilosferrari

https://twitter.com/tresquartoscego

https://www.facebook.com/tresquartoscego

Commentários do Facebook

Comentários