Mahou Tias #057 – Jorge Ramon

Mahou Tias (Logo sob fundo verde)

Depois que fugiu do combate, ela desviou seu caminho, pois não queria que soubessem onde ia.

Já seria ruim o suficiente, voltar a seu mestre para pedir ajuda. Certamente, ela seria castigada e humilhada.

Seu mestre havia sido bem claro, se ela largasse o treinamento, ela jamais deveria voltar até ele, pois se voltasse, pagaria o preço da desobediência.

Porem, ela tinha esperança, de que ele se interessasse nas tais mulheres mágicas. A noticia poderia agrada-lo, pois ele poderia obter novos poderes.

O fato que mais a envergonhava, era o de ter sido derrotada, por mulheres que mal sabiam usar os poderes que tinham. Essa verdade era tão gritante, que se não fosse pelo espirito da pirralha, e por uma arma de fogo, a vitória teria sido dela.

Seu mestre certamente lhe esfregaria na cara, que ela errou em ter deixado a alma de uma vítima para traz. Segundo ele, a alma de cada vítima direta, deveria ser devorada.

Ela jamais aceitou comer uma alma, por saber o quão doloroso era o processo.

Depois de ficar voando a esmo por um dia, ela ordenou as aves que a levassem até seu mestre.

Então, na quarta, ela cruzava a fronteira do país e chegava a Colômbia.

Já no país vizinho, ela podia sentir claramente o poder de seu mestre, e guiou as aves até ele.

O local não ficava muito distante da fronteira, e lembrava uma pequena fazenda, que no lugar de plantações, tinha galpões.

As aves rodearam a casa principal, e no ponto mais alto, que ficava a cinco andares do solo, encontraram uma sacada e depositaram o corpo de Raquel lá.

As aves se empoleiraram no parapeito, e lá ficaram esperando.

Raquel ficou caída no chão por mais de meia hora, até que um homem abrisse a porta e dissesse em castelhano:

– Parabéns… Seu descuido virou noticia ao redor do mundo… O que foi que eu te ensinei?

– Antes de qualquer plano ser traçado, a descrição deve ser observada. – Respondeu Raquel desanimada.

O homem vestia calça e camisa social, usava sapatos lustrosos, tinha cabelos pretos e curtos, com cara de bom homem, uma expressão de responsabilidade, digna de presidente de grandes companhias.

O homem sentou em uma poltrona que havia na sacada, fez um gesto com uma das mãos, fazendo os urubus deixarem o local.

Em seguida o homem acendeu um charuto, tragou e questionou:

– Como você acha que descobriram sobre suas pelúcias?

– Água por favor… – Pediu Raquel.

O homem ignorou o pedido e repetiu a pergunta. Raquel respondeu:

– As pelúcias estavam sugando muita energia. Eu estava com pressa. – Falou Raquel

– Sei que no Brasil, vocês tem um ditado que diz que a pressa é inimiga da perfeição. Se eu tivesse pressa, eu não seria um empresário de sucesso, que hoje tem a rede de lojas que mais cresce na Colômbia, além de ter me tornado um traficante importante. – Falou o homem.

– A energia para as poções vem das drogas? – Questionou Raquel.

– E das balas… Como geralmente as vítimas morrem, elas não percebem os efeitos. – Explicou o homem.

Ele fez uma mordaça de luz vermelha envolver a cabeça de Raquel, se levantou, fez aparecer um chicote vermelho na mão, e começou a atacar a mulher.

Ele açoitava seu rosto, seu tronco, braços, pernas, tudo isso sem esboçar reação alguma. Depois que terminou o homem voltou a falar:

– Sem paciência e planejamento, não se viva quatrocentos e onze anos, sem chamar a atenção.

Ele questionou sobre a forma como ela havia sido derrotada.

Raquel contou sobre as mulheres mágicas, e contou sobre o espirito da criança, que a muito tinha sido uma vítima.

Ele suspirou e voltou a falar:

– Quando você abandonou seu treino, eu te falei para sempre comer as almas de suas vítimas, justamente para que coisas desse tipo não aconteçam!

Depois que disse isso, o homem chicoteou Raquel com toda a força que tinha, quase decepando seu braço.

Em seguida ele entrou na casa, e após um minuto voltou segurando um frasco com um liquido marrom esverdeado, e falou:

– Se me obedecer, te dou essa poção de cura. Do contrário, direi aos Brasileiros que capturei a bruxa.

Ele tirou a mordaça de Raquel que aceitou a poção. Quando ela terminou de beber, as balas pularam para fora de seu corpo, e todos os ferimentos começaram a fechar, incluindo o que quase tinha lhe custado o braço.

Quando ela estava recuperada, o homem fez sinal para que ela se levantasse e entrasse na casa.

Quando ela entrou, se deparou com uma sala com uma poltrona, uma pequena mesinha e várias prateleiras de livros e poções.

O homem foi até a pequena mesinha, que ficava ao lado da poltrona, e pegou uma pistola, a entregando a Raquel, enquanto dizia:

– Esta será sua prova de lealdade.

Em seguida o homem saiu da sala, demorou cerca de cinco minutos e voltou, trazendo um velho amarrado e amordaçado.

O velho estava chorando, e tinha sinais de desidratação e tortura.

Depois de jogar o velho no chão, o homem lhe tirou a mordaça, e se sentou na poltrona para assistir.

Raquel sabia o que o mestre queria, ela deveria dar o passo final em seu treinamento. Ignorando as suplicas do idoso, ela apontou a arma para ele e disparou, acertando em cheio sua testa.

Quando o corpo do velho caiu, o homem falou:

– Envolva sua mão com sua energia e agarre o fio que prendia a alma ao corpo. Em seguida, com a outra mão, envolva a alma com seu poder, até que ela fique de um tamanho que caiba em sua boca.

Raquel obedeceu. Envolveu sua mão direita com um brilho vermelho, e quando a alma estava começando a sair do corpo, ela agarrou o fio dourado que pendia dela, antes que ele sumisse.

Em seguida com a mão esquerda ela fez a alma ser envolvida por um casulo vermelho, e começou a esmaga-la.

O velho começou a gritar desesperado, mas era inútil. Assim que a alma ficou do tamanho de um salgado de buffet, Raquel a enfiou toda na boca e a engoliu inteira.

Ela sentiu uma queimação no estomago, e uma mordaça energética lhe envolver a boca.

Em seguida ela sentiu como se estivesse envolvido por fogo, cada milímetro queimava a fazendo sofrer.

Ela gritava em agonia, mas os sons eram abafados pela mordaça.

Raquel começou a rolar no chão se debatendo. O homem a amarrou com cordas vermelhas e a colocou atrás da poltrona dizendo:

– Isso pode demorar até uma semana. Varia de pessoa para pessoa.

Em seguida, ele se sentou na poltrona, pegou uma revestia que estava sobre a mesinha e começou a ler.

Na capa da revista estava uma foto do homem segurando um charuto com os dizeres: “Jorge Ramon, Do Virtual Ao Real”.

Continua…


Pesquisa de Público:
http://goo.gl/forms/6o70pS9aM8

contato@tresquartoscego.com

https://www.facebook.com/tresquartoscego

http://www.mahoutias.com.br

Commentários do Facebook

Comentários