Mahou Tias #087 – A Ideia De Adubo

Logo Vermelho

Os policiais que ficaram observando a batalha, após seu termino, só tinham uma coisa em mente: Que eles foram felizes em não terem atacado a bruxa.

Eles tinham em mente, que a mulher não temia suas balas, já que não estava escondida atrás de lugar nenhum. Além disso, a facilidade com a qual ela havia matado os reféns, mostrou seu poder.

Fora tudo isso, haviam sido necessárias seis pessoas para derrota-la.

Os soldados ficaram se perguntando: quem era o homem com flechas? Seria o índio que as mulheres haviam dito que chegaria?

Vitório, que estava entre os soldados que observaram a batalha, se aproximou de Adubo, que estava tonta, mas acordada, perguntando:

– Quem era o homem que te salvou?

Laura, que ficou observando de longe se aproximou de Adubo explicando que era Ganu.

A guerreira das plantas transmitiu a mensagem para Vitório, que coçou a cabeça, e foi verificar a integridade de Wind e Jat.

Enquanto isso, dois andares a cima, outros soldados, verificavam a situação de Faísca e Bolinha.

Sabendo que não teriam como fugir dali, Adubo contou aos policiais a seu redor, que ninguém podia tentar descobrir suas identidades sem a altorização das cinco, pois do contrario, quem descobrisse morreria, da mesma forma que aconteceu com o predecessor de Vitório.

A noticia se espalhou rápido, não só entre os policiais, mas também entre a imprensa, que divulgou para o mundo.

Na cabeça de Adubo, isso faria com que as pessoas evitassem de coletar o sangue dela e das outras Mahou Tias, para exames de DNA.

Exceto Adubo, todas as outras mulheres magicas estavam sendo atendidas, praticamente a força.

Percebendo isso, Adubo lhes falou, pelo comunicador, que já havia contado sobre o motivo da morte do antigo comandante da polícia.

Elas não responderam, mas acabaram entendendo a ideia da companheira.

As cinco foram levadas para o hospital municipal, onde receberam socorro mais adequado.

Todas foram colocadas em um único quarto, que ficou cercado de policiais.

Aqueles que tomavam conta das supermulheres evitavam de puxar conversa, e até de olhar para elas, todos tinham medo de que suas veias da cabeça explodissem.

No dia seguinte, por volta da hora do almoço, Vitório entrou no quarto e falou para as cinco mulheres magicas:

– O juiz liberou vocês para ir embora assim que estiverem bem. A gente já sabe que vocês não mentiram quando falaram da morte do antigo comandante.

– Vocês testaram!? Se horrorizou Jat.

– Sim… Usamos um cara que foi preso por assassinato, sequestro, estupro, pedofilia… Demos os vestígios de suas identidades para ele, e ele, morreu depois de ler tudo.

As cinco ficaram sem reação, e Vitório continuou.

– Seria caro manter vocês presas. Vocês destruíram uma parede e dois pisos. Fora que ficou provado que nós não teríamos como vencer Raquel.

Os soldados que faziam a guarda, abaixaram a cabeça constrangidos, Vitório permaneceu falando:

– No entanto, já que o juiz esta dando esse boi para vocês, ele me pediu para avisar para segurarem esse tal de Ganu, é a condição de sua liberdade.

As cinco se entre olharam, e aceitaram a proposta, afinal elas sabiam que Vitório estava do lado delas, e que por meios legais, não havia muito o que ele podia fazer.

Os médicos estavam espantados com os poderes de cura que as mulheres magicas tinham, pois desde o momento que elas haviam sido internadas, até momentos após a saída de Vitório do quarto, elas haviam se recuperado, o que uma pessoa normal levaria uma semana para se curar.

Levando em conta a velocidade com a qual se curavam, elas teriam alta em dois dias.

Continua…


Apoie no Padrim:
http://www.padrim.com.br/tresquartoscego

Pesquisa de Público:
http://goo.gl/forms/6o70pS9aM8

contato@tresquartoscego.com

https://www.facebook.com/tresquartoscego

https://www.instagram.com/tresquartoscego

http://www.mahoutias.com.br

Commentários do Facebook

Comentários